domingo, 12 de julio de 2009

Encuentro Nacional de Espaço Irmandinho

Se celbra el VII Encuentro Nacional de Espaço Irmandinho, al finalizar el cual se hacen públicas unas consideraciones de las que seleccionamos los siguientes textos:


E.I. acorda evoluir a partir da sua condiçom actual para a de umha organizaçom política nacional que
permita fazer mais efectiva a coordenaçom e incidência social do nosso trabalho, formar militantes e favorecer e impulsionar processos de fundo rumados a articular estrategicamente umha alternativa
independentista e socialista que ultrapasse a atomizaçom e o conflito fraccional em que
o independentismo está mergulhado.
Sabemos que ambos processos som complexos e ambiciosos e iniciamos a viagem sem quaisquer garantias de sucesso. No entanto, consideramos um dever patriótico intentar ambos objectivos com todos os nossos esforços.

A corrente social e política independentista que se representa no nome Espaço Irmandinho nom nasceu onte e tem nas suas humildes origens algumhas das melhores experiências de luita e combate deste País. Contodo, a nova organizaçom que pretendemos construir nom se reivindicará como a continuidade
exclusiva do processo histórico de emancipaçom nacional e social.
Frente à retórica vazia, de uso infelizmente tam comum no universo independentista galego, o nosso agrupamento reivindica desde a humildade a legitimaçom através do trabalho diário e do esforço militante, do acerto constrastado na definiçom de tácticas e estratégias. Deste modo, admitindo a importáncia histórica que para o arredismo e o País tivérom organizaçons como a primeira UPG, o Partido Galego do
Proletariado (PGP), Galicia Ceibe (OLN), o Partido Comunista de Liberación Nacional (PCLN), FPG, APU e, destacadamente, o Exército Guerrilheiro do Povo Galego Ceive (EGPGC), achamos erróneo fundar as legitimidades actuais em experiências pretéritas ou acreditar que a sua simples invocaçom ou apropriaçom exclusiva seja a chave legitimadora da práxis política e social presente.

3. O perfil da nova estrutura independentista a constituir definirá-se por:
a. O funcionamento assemblear e participativo a nível teórico e prático, evitando a tradicional esquizofrenia entre as invocaçons à democracia interna e as práxis dirigistas de facto.
b. A supressom da dupla militáncia política, por constatarmos que a debilidade estrutural do independentismo galego actual é incompatível com a multiplicaçom de siglas e organizaçons políticas que se
arrogam papéis de direcçom. Além disto, no nosso contexto nacional concreto e na situaçom objectiva e subjectiva do independentismo, a falta de generosidade política e o seitarismo tantas vezes associadas à dupla militáncia som alguns dos factores que, além de gerar categorias de militantes, carcomem e derruem as
ilusons e expectativas colectivas. À vista destas experiências, nós configuraremos um agrupamento único de activistas com idênticos deveres e direitos e diversos níveis de compromisso.

4. Nesta nova jeira que inicia Espaço Irmandinho consideraremos a formaçom política e técnica da
militáncia como um objectivo fundamental e prioritário, dedicandolhe umha parte significativa dos nossos
esforços e planificaçons. Esta revalorizaçom do processo formativo visa erguer um corpo de militantes crític@s, com capacidade de análise e iniciativa sócio-política, conhecimento próximo da realidade
nacional e vitalmente motivad@s para os esforços que exige a materializaçom da nossa perspectiva política.

13. Consideramos que todos os métodos de luita sem exclusons som legítimos para impulsionar o processo de liberaçom nacional e social do povo galego. De facto, o rechaço do monopólio estatal da violência e
o questionamento da sua legitimidade fam parte historicamente do ADN político do independentismo tanto como a prática da solidariedade com @s militantes que som objecto da repressom e a reivindicaçom da
excarceraçom d@s que forem pres@s.
Assim, achamos que o necessário ponto de encontro de sensibilidades que concorrem no Movimento limita-se ao binómio constituido polo reconhecimento da legitimidade e a práxis da solidariedade com @s retaliad@s.


No hay comentarios:

Publicar un comentario